Boa tarde!

Untitled Document
por trÁs de sorrisos e generosidades

Recentemente ouvi de um camarada que fiz amizade: “meu problema é que tenho coração mole”.

Este tema se encaixa perfeitamente na seção de autoajuda. Em tempos de seres humanos individualistas, frios e espertos, milhões ainda possuem o tal “coração mole”. São pessoas que facilmente se deixam enganar por sorrisos amistosos, palavras belas e generosidades. Já pertenci ao time dos enganados, quando adolescente. Eu jogava duro, era curto e grosso, mas meu coração era mole. Minhas palavras saíam violentas, tanto escritas como oralmente, mas o coração mole estava lá. Conforme fui me relacionando com todo tipo de pessoa no mundo, fui aprendendo que a maldade existe e pode estar camuflada dentro da pessoa que menos esperamos. Minha última lição foi no final do ano passado. Estava muito bem preparado, por isso o “golpista”, que por me conhecer a 15 anos, e aproveitando de seu infortúnio na vida, tentou fazer a jogada perfeita para eu cair. Ele conseguiu chegar aos 2% que restava de meu “coração mole” e agiu. Só que ele não esperava que, com minha experiência de vida (que ele desconhecia ou não acreditava), eu desse uma reviravolta em sua jogada suja. Corações moles não conseguem agir com firmeza num momento crítico. Por isso, milhões de pessoas sofrem, caem na tal depressão, até praticam o suicídio.

Não defendo o coração de pedra. Defendo o raciocínio, o preparo. Como disse Che Guevara, “hay que endurecerse, pero sin perder la ternura jamás”.

Observem os animais. Os animais percebem a intenção humana no olhar. Nós muitas vezes desviamos o olhar do próximo. Temos “vergonha” ou medo de olhar nos olhos do irmão. Preferimos jogar o olhar distante na superficialidade. E as aparências enganam perfeitamente. Se não aconteceu com você, já aconteceu com conhecidos. Quem nunca ouviu a expressão: “não acredito no que ele fez, ele sempre sorria para mim, vinha me abraçar, me colocava no altar...” Não acontece só com namorados, mas muito em relações de amizade. Ou nem isso. “Questão de etiqueta”. Sorrir ao sentar-se a mesa na casa de parentes ou amigos. Sorrir, ser cordial e atencioso com clientes. Aperto de mãos, tapinhas nas costas, beijos (de Judas). Seria arriscado apontar números, mas creio que mais de 90% dessas demonstrações de carinho e dedicação são falsas. As provas podem ser encontradas se pesquisarmos quantas pessoas afirmam ter amigos de verdade. Relação de confiança mútua.

O mundo engana a si mesmo. As pessoas vivem um mundo de fantasia na realidade. Adoram fazer festas, chamar os amigos, tudo para dar a impressão de que estão muito bem com a vida (e bem de vida). Escondem a falsidade, o preconceito e as dívidas. Utilizam diariamente o método do “jogo de cintura”. Tentam o tempo todo enganar os outros, porém é impossível enganar a si mesmo e a um ser supremo (Deus, para aqueles que acreditam). É assim que, muitas pessoas que viviam aparentemente bem, com tudo do bom e do melhor, terminam suas vidas doentes e paranoicas. É impossível enganar o corpo e a mente. Milhões de indivíduos armam teatros fabulosos para transmitir a imagem de poder e bem estar. Enganam milhões. Mas não enganam a si mesmos. Para não sentirem o peso na mente, fogem do assunto. Não param pra pensar, não querem saber. Procuram se distrair com qualquer coisa que não permita “cair na real”.

Essa forma lenta de autodestruição, também destrói pessoas de coração mole, que, ingenuamente, buscam se espelhar em seus opostos. Em minha própria família, ouvi muitas vezes: “nossa, mas ele é assim? Não parece!” “Puxa, ele sempre me tratou tão bem...”

O indivíduo verdadeiro se conhece nos bastidores, no convívio, e principalmente nos momentos de provações. Ora, no final de 2010 eu passei por uma provação. Se não tivesse a bagagem que tenho, teria seguido por caminhos errados, de engano, tipo “castigo, sentimento de culpa ou impotência, etc.” Situações, por piores que sejam, são todas experiências de vida, desafios, provações. Se eu, por mais “vacinado” que estivesse, me enganei pela relação amistosa e de firmeza, o mesmo ocorreu com o outro lado. O cara viu em mim o tal sentimento bondoso que faz a pessoa dar a outra face (ler artigo “quando os castigos são merecidos”). Toda pessoa que traz dentro de si uma ânsia por justiça, que é o meu caso, ninguém ao lado pode imaginar até onde ela é capaz de chegar. Quase cheguei ao extremo – a temida e polêmica justiça com as próprias mãos. De certa forma eu fiz isso, mas sem as consequências irreversíveis que todos sabem bem qual é. Tenho consciência dos atos, penso no amanhã, e não somente no agora. Por outro lado, não sei se amanhã terei o mesmo ponto de vista. Isso porque acredito que seres humanos passam por um processo de evolução dia a dia. Experiências de vida transformam o ser humano constantemente. Cada um deve ser o que é, eu sou o que sou e não mudo. Mas atitudes perante o mundo, podemos mudar sim, descobrir de um dia para outro que tal conceito estava errado.

Não quero induzir ninguém a se isolar, como o caso citado de uma ex-professora num artigo. É relativamente simples dar as costas ao mundo, dizer que todos são iguais e se afastar. Atitudes assim não melhoram em nada o mundo. A saída é se preparar. Fazer contatos com todas as pessoas que puder, vendo em cada uma, um desafio, um aprendizado. Um aprendizado para você não entrar na onda do sorriso falso, das palavras falsas, da imagem daquilo que você não é. Você sendo verdadeiro, a falsidade alheia aparecerá. E condenará o próprio farsante. Invejosos também se escondem atrás de falsos sorrisos e elogios. A inveja é uma das piores doenças sociais, e muitas pessoas “bem de vida” são invejosas. Por mais bem posicionadas que estejam, a maioria é escrava da inveja.

A realidade triste e negativa não deve abalar. Durante a pesquisa que realizo nas cidades, de cada dez pessoas, oito ou nove percebo medo ou falsidade. O sorriso forçado, a questão de etiqueta. Sou um estranho, mas sou verdadeiro. É impossível fazer amigos sem correr risco. Quem não arrisca, não petisca – diz o sábio provérbio popular. Minha relação é verdadeira, desde criança eu gostaria de fazer amizade com todo mundo. No entanto, isso é inviável. Milhões, bilhões de seres humanos não estão bem consigo mesmos, e sendo assim não é possível estabelecerem uma boa relação com os outros. Quem entra em minha relação de amizades, pode se considerar um privilegiado. Não sou rigoroso, ali estão pessoas cheias de defeitos (como eu) e que podem até ter certas implicâncias comigo. Mas passaram por um determinado crivo, superaram alguns estágios.

O que posso dizer aos possuidores de “coração mole” é: busquem o equilíbrio. Não se abalem com a perda de uma amizade. Da minha extensa lista de amizades, uns vinte foram retirados. Não é questão de ser orgulhoso, ser “perfeito”. É apenas questão de não jogar pérolas aos porcos, realidade que aprendi com o passar dos anos. Tudo tem um limite. Ou a pessoa quer mudar ou não quer. A vida hoje cobra atitude firme. Se perdemos tempo com alguém que não sabe o que quer, estamos deixando de fazer por alguém que quer e precisa de uma força.

Aprendam também a descobrir os malandros. Muitas pessoas nos tratam bem porque nos querem como número, e não como irmão, ser humano. Querem-nos para fazer volume na festa, na rede social, números que dão crédito e votos a ela. Em proximidades de ano eleitoral é mais fácil descobrir quem são essas raposas. Só faltam beijar seus pés, mas na hora que você precisa, onde estão essas pessoas?

Se você é uma pessoa que possui algum defeito visível, seja defeito físico ou algum problema psicológico, deve conhecer bem o sentimento de rejeição, ou a cordialidade teatral. A maioria das pessoas ainda leva em conta a perfeição física. Conheci certa vez uma adolescente que se sentia mal com uma pinta que tinha no rosto. Era uma adolescente carismática, joia. Mas se envergonhava da pinta. Quis porque quis operar para tirar a pinta. Os pais se renderam ao desejo da filha e a pinta foi retirada. Passado algum tempo, conversei com a mãe dela que me relatou que a família atravessava uma fase turbulenta, cheia de provações e que buscava respostas no espiritismo. Muitos anos depois, reencontrei-me com a menina da pinta, já adulta. Era a arrogância perfeita. Sorriso falso. Com o desejo realizado precocemente, e após superar aqueles problemas que teve em família, subiu ao pódium e lá se exaltou. Fiquei surpreso, pois se procuraram o espiritismo, o espiritismo não é caridade e fraternidade? Por que aquela recepção cheia de arrogância, prepotência, como se eu fosse a mais insignificante das criaturas? Este caso ilustra bem a teia que é a vida. Se você se sente rejeitado por algum problema, ignore essa rejeição. Viva sua vida, supere obstáculos, mas preferencialmente obstáculos espirituais que lhe trarão bem estar. Obstáculos físicos podem ser superados após vencer os obstáculos espirituais, mas cuidado. Quando estiver realizado, não suba ao pódium para cuspir nos outros, pois todo aquele que se exalta, será humilhado. São as provações da vida. Quem te rejeitou, vai pagar pela rejeição. Pelo sorriso teatral. Pela bondade falsa. Se você dá a volta por cima e faz a mesma coisa, de nada valeu sua luta. Vença e deixe os que te rejeitaram na deles. Não vá atrás para fazer vingança. Ignore. Ignorar dói muito mais do que vir jogar na cara. Pensam que eu fui atrás do golpista para dizer que contornei toda a situação que ele criou? Não. Ele ficou sabendo através de outras pessoas que tudo aquilo que ele quis tirar, recuperei. O prejuízo foi dele, e ainda ficou marcado, na mira de pessoas que me querem bem. Se há algo para ele pagar, a justiça virá, pois sou firme, tenho convicção. Minha fé é equilibrada e totalmente centrada numa justiça superior. Nada de placas de igreja e magia na modalidade “troca”. Não se faz troca com o mundo espiritual, pois troca, comércio, é coisa do mundo, e coisas do mundo não devem ser misturadas com o mundo paralelo. Não se mistura mas tudo o que aqui fazemos, reflete do lado de lá. E é por isso que sou convicto nessa justiça. Sou convicto e recomendo. Se você sofre por causa de pessoas que lhe tratam mal, supere. Saia desse sofrimento. O tapa na cara do hipócrita é você superar o sofrimento e a depressão.

Outro detalhe importante neste artigo: a sociedade é dividida em grupos: grupos de igreja, grupos políticos, grupos de caridade, grupos disso e daquilo. Os hipócritas, os falsos amigos estão em todos eles, nenhum é exceção. Onde estiver, você cruzará com essas pessoas, por isso aprenda a identificá-las e não se ligar demasiadamente a elas. São pessoas que devem ser observadas de longe e não se devem colocar sentimentos. Se vierem passar por uma provação dolorosa, será uma provação justa. Estarão pagando pelo que fizeram. Nesse momento, nada de piedade e também nada de riso de satisfação. O ser humano equilibrado e justo, adquire uma postura de justiça e equilíbrio. Não condena e não sente dó. Não é frieza, é equilíbrio. As pessoas sensíveis demais costumam pensar que para mudar isso é necessário ir ao outro extremo. Errado. O equilíbrio é o que mantêm o mundo em evolução. Experiência própria que quero partilhar com aqueles que passam por tudo o que já passei.

Parceiros













Eu Apoio


Juliano Gaitero


Sebo O Barato da Cultura


Aloysio Roberto Letra
Escritor e Roteirista


Rock Nacional
e Internacional



Soul, Funk, Samba
Rock e Derivados


Em Defesa do Meio
Ambiente e Cidadania