Boa tarde!

Untitled Document
por que minha vida nÃo muda

Muitas pessoas já se questionaram: “por que não consigo mudar minha vida?” Para encontrar as respostas, precisamos mergulhar no mais profundo de nosso eu e também na teia social. Analisar de forma transparente e na ausência de sentimentos de compaixão e orgulho próprio.
O autocontrole é uma tecla que toda literatura de autoajuda bate, e poucas pessoas conseguem atingir. No entanto, muitas que atingem, fazem de forma egocêntrica, enganosa. Só o autocontrole por si só não basta, ele deve estar acompanhado de mudanças de hábito, de relacionamento e de enxergar o mundo.
As pessoas normalmente associam a mudança de vida a duas coisas: dinheiro e companhia (namoro ou casamento). Pois não adianta perseguir esses dois se você não estiver preparado.
Fazer dinheiro: a sociedade busca ansiosamente meios para fazer dinheiro em quantidade e em pouco tempo. Embarcando nessa, você estará na teia que a maioria está. Será apenas mais um em meio a milhões, que sugam os recursos naturais como se fossem eternos e também a mente de milhões de consumidores; ou seja, você suga e é sugado. Uma “troca mútua” que a princípio parece não fazer diferença alguma, mas está lentamente desequilibrando o meio natural e social.
Companhia: diz a lei universal que “semelhante atrai semelhante”, portanto, se você é uma pessoa “convencional”, atrairá pessoas “convencionais”, ou seja, que não farão diferença em sua vida. Portanto, seguindo isto que acabei de colocar, sua vida não mudará mesmo.
Quais os primeiros passos para mudar sua vida?
Não pense em dinheiro e companhia. Antes disso, aprenda a enxergar o mundo por outro ângulo. Como é sua rotina diária? Questione. Por que faço sempre as mesmas coisas, assisto as mesmas coisas, leio as mesmas coisas, converso sobre os mesmos assuntos, ouço as mesmas músicas? Tudo isso, compõem hábitos os quais você ficou “preso”. Ao ligar a televisão, de cada cinco comerciais, três é propaganda de automóveis. Pare e analise: se nossas cidades já não comportam tantos carros nas ruas, por que se incentiva, como numa lavagem cerebral, o consumo de tal produto? A qualidade de vida apregoada não está associada à caminhada, uso de bicicleta e transporte público? Você já notou quantas pessoas estão sozinhas dentro de um carro diariamente? É uma incoerência, mas o mercado te chamará de louco se você raciocinar sobre isso, afinal, se existe uma indústria, ela precisa vender. Mesma coisa as músicas. As rádios “martelam” em sua cabeça tudo o que está na moda, por pior que seja a qualidade do som e da letra. As rádios precisam dos músicos, e os músicos precisam de fãs, adeptos, consumidores. O que isto tudo significa? Que sua mente fica presa a coisas que:
- Você não pode ter (o carro novo mostrado incessantemente nos comerciais); mas vai querer ter e lutar por ele mesmo que não precise, não é item de primeira necessidade.
- Músicas banais, que nada te acrescentam culturalmente e espiritualmente; mas como estão em todos os lugares, tocando diariamente, você se acostuma. E ficam gravadas lá no subconsciente.
- Bombardeio de notícias; a informação sem dúvida é importante, mas o excesso ocupa espaços de sua mente que poderiam ser utilizados justamente para armar suas novas estratégias de vida, por exemplo, selecionar o que é ou não é relevante para você. Exemplos; política, mesmo que internacional, é necessário estar por dentro, pois nosso país é influenciado também por uma política internacional. “Interessa saber o que está acontecendo no Oriente Médio?” Interessa, pois aquela região é um barril de pólvora, e acontecimentos lá podem interferir no mundo todo. Mas assuntos assim não fazem parte do cotidiano. Quais são nossas conversas na escola, nos bares, entre amigos e vizinhos? O time que está correndo risco de cair para a segunda divisão? O jogador que foi “comprado” por outro clube? A gravidez da artista “x” ou da esposa de jogador “y”? Com quem o personagem da novela tal vai ficar?
Nem tudo que é prazeroso é saudável para o cérebro. Na verdade, é questão de criarmos prazer com outras coisas, inclusive espiritualmente. O prazer é em 99% ligado ao corpo, e não ao espírito. Por isso que vivemos momentos diários de prazer e numa certa hora bate o tédio, a angústia... e até a depressão. Tudo o que consumimos diariamente, não faz efeito espiritual. Não traz satisfação espiritual. Enquanto estamos acordados, estamos consumindo coisas que nos são impostas, e quando vamos dormir, levamos todas essas coisas junto. Como se livrar disso?

MENTE VAZIA, OFICINA DO DIABO?

Não podemos levar tudo ao pé da letra, nem ditados populares e nem a Bíblia. As coisas devem ser analisadas, interpretadas de forma correta e imparcial. A expressão “mente vazia” ou “esvaziar a mente” provoca aflição na maioria das pessoas e explico o porquê:

Mente vazia é associada ao elemento que não estuda ou não trabalha, não tem um objetivo na vida. Mas ele não está na verdade com a mente vazia, ela está cheia, pois diariamente está captando conversas e o bombardeio de informações, músicas e os comerciais. O cara que não estuda e não trabalha, logicamente está com a cabeça feita por lavagem cerebral. Claro que ele conhece todas as marcas de carro que os comerciais mostram, e ele quer o carro! Conhece todos os tênis da moda (os mais caros), bem como todas as roupas de marca, que ele não vai medir esforços para ter. Enfim; sua mente é vazia de valores espirituais, de equilíbrio, mas totalmente cheia daquilo que aprisiona a todos, do mais rico ao mais pobre financeiramente.

Esvaziar a mente deixa a pessoa vulnerável às ações malignas (do demônio). Este é o argumento da maioria das religiões cristãs que estão no combate às práticas religiosas orientais e à “onda new age”. Este caso é mais complexo, pois se você está protegido espiritualmente, o mal não vai te alcançar se você estiver relaxado, com a mente vazia. Podemos fazer uma comparação bruta, só por efeito comparativo; você deixar a porta de sua casa aberta. Se não houver ninguém protegendo (um guarda por exemplo), qualquer um entrará sem ser convidado. Mas se houver um segurança na porta, a pessoa não convidada será impedida de entrar. Assim é com a questão do relaxamento. Não existe relaxamento se sua mente está a todo o momento “se ligando” às coisas do mundo, a novela, a música que está nas paradas, àquela propaganda “filha da mãe”, ao patrão, ao namorado, etc. etc. Posso dizer claramente que a ação do mal está muito mais associada às lavagens cerebrais que preenchem sua mente do que ao relaxamento e esvaziamento. Por quê? Porque quando você se livra de tudo que te prende ao mundo, mesmo que por alguns minutos ou horas, você começa a identificar os males produzidos pelo próprio ser humano, a teia maléfica que é nossa sociedade a qual nos acostumamos. E todos aqueles que desejam manter esse sistema (porque estão se beneficiando com isso), não vão querer que você compreenda como a coisa funciona e rompa com a cadeia. Mais um exemplo semelhante a abrir as portas de sua casa: quem abre, pode conhecer pessoas maravilhosas que estavam próximas, fazer amizades e ajudar aqueles que precisam. Agora, quem se tranca para o mundo, não fecha a porta somente para o bandido, mas também para pessoas boas que poderiam te ajudar e que precisam de sua ajuda. Por isso ressalto a importância de estar vigilante e conhecer o joio para saber identificá-lo. Na própria pesquisa sobre hábito de leitura, presenciei na capital pessoas que fechavam a porta na minha cara e outras que abriam não só a porta mas o coração, como uma senhora em Artur Alvim, que me atendeu no portão e disse: “percebi que você é uma pessoa do bem”. O que significa essa expressão? Pessoa que conhece. Sabe identificar as intenções. O mundo espiritual é reflexo do mundo material e vice-versa. São dimensões totalmente opostas mas interligadas de alguma forma. Relaxamento e meditação não são características de crenças esotéricas. São necessidades do ser humano. O que faz a diferença é o objetivo.

LIMPEZA INTERNA PARA FAZER A LIMPEZA EXTERNA

A mudança começa dentro de você, e para conseguir se organizar internamente, é necessário deixar de ser marionete de certas coisas que a sociedade impõe. Você já está habituado a ser marionete, por isso a mudança é difícil. E a força para mudar está dentro de cada um, basta que você descubra onde ela está e como ativá-la. Mas na maioria das situações, o pontapé inicial depende apenas de você romper com determinados hábitos que parecem insignificantes. Cito um exemplo próprio. Em casa, quando estava assistindo filme ou jornalismo, no momento do intervalo ninguém abaixava o som. Ficavam os comerciais aos berros, ainda que ninguém estivesse olhando. As mensagens automaticamente penetravam no cérebro, como uma imagem fica registrada para sempre no negativo. E ali, aquela mensagem inútil fica ocupando permanentemente um espaço. Ora, mas nosso cérebro pode armazenar milhares, milhões de informações, uma a mais ou a menos pode não fazer diferença... mas faz! A mensagem captada um dia vem te perturbar, e isso acontece quando você menos espera; e o pior, pode ser num momento inoportuno. Se eu já havia assistido determinada propaganda uma vez, para que continuar ouvindo dezenas, centenas de vezes? Comecei a mudança abaixando o som. Hoje, tiro totalmente o som. E não sinto falta alguma. Se eu necessito de algo, eu sei onde e o que encontrar. Se não sei onde encontrar, busco. O silêncio é o momento mais precioso de nossas vidas, pois conseguimos raciocinar. O barulho não permite raciocínio e concentração. Este é apenas um exemplo que leva você a mudar sua vida. Existem muitas atitudes simples e outras mais complexas. Outro exemplo; ficar na espera que seus parentes (pais, irmãos, filhos ou marido) tomem uma atitude que cabe a você tomar. Por que esperar pelo outro? Se você delega a atitude ao outro, é porque não confia em sua capacidade, está inseguro. “Será que eu consigo?” Como você pode delegar a atitude ao outro se você não sabe o que se passa na cabeça desse outro? Não importa se é pai, filho, irmão... por mais convivência que tenha, é outra pessoa, que você pensa que conhece, mas ninguém conhece o íntimo do outro. Até a pessoa controlada, uma hora foge do seu controle. Ninguém é dono de ninguém, por mais influência exercida. Mesmo na época da escravidão; o senhor feudal exercia domínio sobre seus escravos, mas era um domínio material. O “dono” dos escravos não possuía controle mental sobre nenhum. Tanto que na imposição da religião dos brancos, os negros enxergavam nas imagens católicas os seus santos, os seus deuses. A oração dos negros não era aos santos católicos, mas aos santos de sua cultura. Sempre foi assim, sempre será. É tolice você confiar aos outros uma atitude. Se você quer tomar atitude, prepare-se e coloque em prática, não fique esperando dos outros, pois a morte é incerta, e você poderá partir desta para melhor sem ver seu objetivo realizado.
Quais outras atitudes você pode tomar para mudar sua vida? São muitas. Observe. Analise tudo a sua volta e descobrirá. Mudar os outros não é correto. Culpar os outros é uma das práticas mais comuns no mundo todo. Por mais culpa que o outro tenha, você pode se libertar dessa presença errada ou incômoda. Mude seus hábitos, porque quando você quebra a rotina no lar ou na sociedade, os outros se assustam. E essa reação provocará reações em cadeia, pois o outro refletirá: “ele teve coragem; coragem que eu nunca tive”. Este é outro ponto fundamental para mudar de vida: vencer o medo, o medo dos outros te olharem de forma diferente. Pessoas que exerceram influência na história mundial, como Martin Luther King, não tiveram medo dos dedos apontados. Foram em frente, e fizeram história. Você nunca fará história enquanto ficar pensando no que os outros podem estar pensando de você. Pensem o que quiserem! Enquanto os cães ladram, a caravana segue adiante. Mas cuidado com os excessos. Não faça como muitos que hoje infestam as redes sociais, com exposições ridículas de vaidade e narcisismo. Se você sair do extremo negativo e quiser abraçar o extremo positivo, o perigo é o mesmo. Os dois extremos são prejudiciais. Certa vez, ouvi numa palestra na igreja católica um deslize, o palestrante não teve a noção exata do que falou. Para indicar que nós devemos nos distanciar o máximo possível do mal, disse “o objetivo do homem é ser como Deus”. Uma força de expressão infeliz, pois Deus está tão distante de nós que é uma incoerência colocar isso como meta de vida. E o pior: quem coloca isso na cabeça, torna-se tirano, ditador, falso messias, como já existem centenas ou milhares pelo mundo, pregando profecias, criando seitas ou simplesmente recrutando seguidores por possuir boa oratória ou conhecimentos ocultistas.
Sua vida não irá melhorar se você se entregar aos extremos. O que ocorre normalmente, é a pessoa ficar cansada das tentativas frustradas e fazer uma mudança radical. O radicalismo é perigoso, pois leva a um desses extremos. Vejam que eu disse perigoso, se é perigoso, não significa inválido. Pode ser válido, desde que conduzida a mudança total sem prejudicar os outros. Mudança com os pés no chão.
Também não espere milagres. Milhões, bilhões de orações são proferidas diariamente no mundo todo. Claro, possuem validade. Mas só produzem efeito se acompanhadas de ação. Seria muito fácil fazer uma oração poderosa e esperar sentado as coisas se resolverem para você. O problema não está em Deus nem na igreja, mas na sua cabeça, em sua atitude.
Para encerrar, deixo bem claro: nada mudará para melhor se você continuar diariamente sentado em casa, olhando para as paredes, olhando para a TV ou jogando conversa fora com os parentes e vizinhos. Sabem por que aquela canção que diz “quem sabe faz a hora, não espera acontecer” foi censurada? Porque motivava as pessoas a agirem. E seres pensantes e ativos derrubam todos aqueles que estão atrapalhando seu caminho. Pense nisso e aja. Dinheiro e companhia são consequências da ousadia, da quebra da rotina. E então você descobrirá que mudar sua vida não é tão difícil como imaginava.

Parceiros













Eu Apoio


Juliano Gaitero


Sebo O Barato da Cultura


Aloysio Roberto Letra
Escritor e Roteirista


Rock Nacional
e Internacional



Soul, Funk, Samba
Rock e Derivados


Em Defesa do Meio
Ambiente e Cidadania