Bom dia!

O BRASIL E A HOMENAGEM AOS VELHO

ÁRVORES URBANAS: A DOR DE CABEÇA DAS PREFEITURAS

 

     Cidade com qualidade de vida possui árvores, mesmo que exóticas. Foi um erro plantar árvores que não pertencem à região? Com certeza. Desequilibram o meio. Mas há vinte, trinta anos atrás, não existia conhecimento ambiental. As pessoas achavam bonita aquela espécie e plantavam.
     Mas independente de serem exóticas ou não, as árvores nas cidades, em praças, ruas e dentro de propriedades particulares, exigem o mesmo cuidado que temos com nossos animais de estimação. Como não “se manifestam” fazendo piruetas como gatos e cachorros, as pessoas não ligam, mesmo que estejam na frente de casa. Esse descuido é refletido mais tarde. Ela enfraquecerá, adoecerá e poderá causar os temidos acidentes, caindo galhos sobre carros, cabeça de pedestres, se não cair inteira com um vendaval.
     Se nós cidadãos, somos relaxados, a maioria das prefeituras também são. Toda prefeitura quer passar a imagem de qualidade de vida para as demais. No entanto, preferem investir em asfalto do que em árvores. As árvores precisam ser monitoradas por biólogos constantemente. Em Jundiaí, a Rua Anchieta é constituída por tipuanas, do começo ao fim. São árvores antigas, plantadas numa época em que não se pensava tecnicamente, apenas esteticamente. Não são árvores ideais para ruas com calçadas estreitas e fiação aérea. No entanto, tornam a rua agradável para quem transita diariamente, pois forma um corredor verde que deixa a temperatura agradável, mesmo nos dias mais quentes. Algum tempo atrás, foram removidas várias delas por estarem doentes. Se tivessem monitoramento constante, não teriam adoecido, pois árvores vivem por muitos anos. Mais recentemente, observei uma escola municipalizada que retirou suas árvores do pátio. Se escolas já não transmitem a consciência ambiental de acordo no currículo, que mensagem transmitirá aos alunos com a retirada das únicas árvores que havia? Questão de “segurança”, pois poderia cair sobre os alunos com uma ventania? Ora, por que os alunos não são orientados a cuidar de plantas e árvores? Onde estão os palestrantes? Onde estão os defensores do Meio Ambiente para trazer um projeto ambiental para as escolas? Onde está a vontade política para abrir esses projetos nas escolas municipalizadas? Quero ver se será plantada outra no lugar ou se o pátio da escola será condenado ao concreto.
     Árvores bem cuidadas não caem com qualquer vento. Mas tempestades violentas, que estão se tornando comuns com as alterações climáticas, podem derrubar árvores como provocar inundações. Isso é inevitável. E não adianta remediarmos. É preciso frear tais alterações provocadas pelo próprio homem. Aí vem novamente a dor de cabeça política. Árvore não dá voto como o asfalto dá. Plantar árvores e cuidar não dá voto como construção de pontes e conjuntos habitacionais. E isso porque Meio Ambiente não é ensinado de acordo nas escolas. Já passou da hora de criar essa consciência. Até quando veremos nossas cidades perdendo o verde porque cidadãos e prefeituras não cuidam das árvores?

Parceiros













Eu Apoio


Juliano Gaitero


Sebo O Barato da Cultura


Aloysio Roberto Letra
Escritor e Roteirista


Rock Nacional
e Internacional



Soul, Funk, Samba
Rock e Derivados


Em Defesa do Meio
Ambiente e Cidadania