Boa noite!

OS SINAIS QUE VEM DA NATUREZA

CERTO OU ERRADO

 

     Quem nunca cresceu ouvindo “isto é certo, aquilo é errado?” O dilema não é exclusivo do período da infância, acompanha-nos pela vida toda. E é na vida adulta que o conceito de “certo ou errado” passa a ser a maior ironia social.
     Assuntos que sacudiram o Brasil nesta semana de junho: o esquema dos médicos que “recebiam” sem fazer plantão no hospital, sem prestar consultas, e o acidente aéreo (segundo este ano) com um piloto que não possuía autorização para voar. Nos dois casos, centenas de pessoas prejudicadas e mortes.
     Brasileiro conhece muito bem uma lei; a “lei do Gerson”, de um comercial de cigarros da década de 70: “brasileiro gosta de levar vantagem em tudo”. De lá para cá, nada mudou. Propagandas partidárias falam maravilhas do Brasil, outras o oposto. Tenhamos os pés no chão. O Brasil é um ótimo país para se investir, desde que os investidores conheçam o chão em que vão pisar e façam diferente. O fazer diferente é o respeito ao próximo. Pessoas dispostas a investir em seres humanos, pois o mal que consome nosso país chama-se canibalismo. Os médicos que participavam do esquema descoberto em Sorocaba eram canibais. Embolsavam nosso dinheiro sem prestar atendimento às pessoas que precisavam do trabalho deles. Com certeza a maior parte desses médicos possui competência profissional, no entanto, não aplicavam aquilo que estudaram ao objetivo final: salvar vidas, respeitar a vida do ser humano.
     O outro caso, vidas perdidas por conveniência e desleixo. Se existem profissionais capacitados e com a documentação em ordem, autorizados a exercer a função naquele momento, por que optar pelo ato ilegal, clandestino? Conveniência. O disparate brasileiro é perfeitamente visível quando analisamos a distância que separa o pobre do rico. O pobre não consegue escapar do abuso de taxas e impostos; tudo o que ele vai fazer (sendo honesto, agindo dentro da lei), é sugado por todos os lados. Já o rico, este sim que deveria pagar mais impostos, dribla com jeitinho para “economizar”. Em ambos os casos, o tiro saiu pela culatra, um recado da vida, administrada por um poder maior definido como lei do retorno. Lamentavelmente, crianças – anjos – tiveram a vida abreviada pelo egoísmo de adultos, que diante das câmeras demonstram autoridade e transparência, e nos bastidores cometem erros para levar vantagem.
     Eis o dilema “certo e errado”. As duas palavras raramente são usadas na imprensa, artigos e outras formas de comunicação, porque: “quem está autorizado a dizer o que é certo ou errado?” Biblicamente: “Quem de vós se constitui juiz?” “Atire a primeira pedra aquele que não tiver pecado”.
     Se é embaraçoso, não adianta também deixar de lado e fugir do assunto. Milhões de páginas de leis e constituições em todo o mundo não explicam a mais simples das leis: o certo é permitir a vida, o errado é prejudicar a vida. Conclusão: estamos todos errados, pois prejudicamos a todo o momento a vida do irmão porque queremos levar vantagem em tudo. A única forma de quebrar a corrente é começando por si. Enquanto todos estiverem esperando alguém atirar a primeira pedra, não sairemos da estaca zero.

 

Parceiros













Eu Apoio


Juliano Gaitero


Sebo O Barato da Cultura


Aloysio Roberto Letra
Escritor e Roteirista


Rock Nacional
e Internacional



Soul, Funk, Samba
Rock e Derivados


Em Defesa do Meio
Ambiente e Cidadania