Boa noite!

FELIZES OS NÔMADES

FELIZES OS NÔMADES

 

     “Lar doce lar”. Ficar no sofá assistindo TV, jogando ou inventando “moda” em casa. Diariamente mudando algo de lugar, polindo isso e aquilo, dando um brilho na prataria...lendo e relendo a Bíblia. “Fofoca virtual” pelo MSN. O mundo “evoluiu”, não é? Depende de como você entende a evolução.

     O bonde da história passa. Vivemos 60, 70, 80 anos...uns 18 passamos dormindo. Boa parte do restante em busca do dinheiro, honesta ou desonestamente. Buscando obsessivamente bens materiais. “Segurando patrimônio”, como se fosse levá-lo para o além. Conheço muitas pessoas presas aos seus bens materiais, que levam uma vida sedentária e só saem de seus ninhos porque a vida social obriga, a ir ao supermercado, ao banco...e consequentemente ao hospital. Embora as facilidades da internet favoreçam cada vez mais essa vida sedentária; hoje você consegue fazer muita coisa através de seu PC. Para os acostumados ao sedentarismo, “abençoada tecnologia”.

     A ilusão da segurança da vida caseira e sedentária é um atraso espiritual. Ainda que você esteja lendo, estudando, seja a Bíblia ou livros técnicos, a vida sedentária lhe dá apenas teoria. E teoria sem prática é como fé sem obras: morta. Por isso escrevo este artigo; felizes os nômades! Aqueles que não são grudados em patrimônio familiar, ao “lar doce lar”. Felizes os que estão pelo mundo, caminhando, sem preocupações, sentindo na pele o vento, o sol, a chuva, conhecendo seus irmãos de sangue, aprendendo a conviver com gregos e troianos. Superando preconceitos ideológicos ou doutrinários. Felizes esses, que superaram a tolice do medo. Que sendo pobre ou rico, nada teme porquenada deve.

     Passamos pela vida e não chegamos a conhecer 1% do planeta Terra e o ser humano que o habita. Desgraçadamente nos acostumamos (e nos acomodamos) ao bairro em que moramos, ao seio familiar com toda a hipocrisia crônica...e à rotininha diária. E assim, vivemos uma vida restrita, limitadíssima e improdutiva em termos espirituais. A vida de Jesus era caminhar, andar pelas cidades. Não pense que Ele fazia isso porque era missão exclusiva do Filho de Deus. A missão é de todos nós. Ele fez porque precisava deixar o exemplo para todos que viriam. Não basta aplaudir o que Ele fez. É preciso fazer o que Ele fez. Se você acha impossível, então você não é verdadeiramente cristão. Se diz que “não há tempo” devido ao trabalho ou estudo, é apenas uma justificativa sem fundamentos, tal como fazem os políticos. Organizando a agenda, há tempo para tudo. Até para o descanso. Acrescente a isso mudança de hábitos. Conheço pessoas que argumentam “não ter tempo” mas todo final de semana “picam cartão” na mesma balada ou dão sua corridinha ao bingo, ao jogo de futebol ou à casa dos parentes para atualizar as fofocas. Analise seus hábitos. Analise sua vida amorosa, pois um namoro muitas vezes leva ao inverso do que deve ser um amor verdadeiro e saudável. Pessoas que amarram o companheiro sempre nos mesmos lugares. O ser humano é livre por natureza, mas uma certa “cultura” que passa de geração para geração segura os membros da família numa rédea. O submisso normalmente sai da rédea familiar e cai noutra rédea, a do namoro. Seu destino é ficar preso à rédea dos pais e da esposa. Quem defende isso, justifica: “segurança”... questão de “confiança”.... Quem confia, não precisa prender o outro. Quem sente insegurança nos contatos externos, é porque não cresceu numa base sólida. Por mais que o mundo “lá fora” esteja recheado de riscos, drogas, tentações, precisamos aprender a nos defender disso tudo. E ninguém aprende a se defender se faz a opção mais fácil: fugir, se isolar.

     Pobres sedentários! Libertem-se enquanto há tempo! Ao invés de morrer jogando baralho no botequim ou em frente a TV, encerrem suas vidas viajando! Respirando novos ares!

 

 

 

Parceiros













Eu Apoio


Juliano Gaitero


Sebo O Barato da Cultura


Aloysio Roberto Letra
Escritor e Roteirista


Rock Nacional
e Internacional



Soul, Funk, Samba
Rock e Derivados


Em Defesa do Meio
Ambiente e Cidadania